• Telefone: (11) 4128-4151
  • E-mail: contato@projecaofac.com.br

Category Archive:Notícias

BC autoriza uso de boleto para depósito em conta

Boleto Bancário

O Banco Central aprovou medida nesta quinta-feira para que clientes de bancos possam usar boleto bancário para fazer depósitos em suas contas, numa mudança que poderá ampliar o leque de ofertas dos bancos digitais sem redes físicas de atendimento, num incentivo à maior concorrência.

Em geral, esse tipo de aporte nos bancos digitais só era possível por meio de transferências via TED e DOC. Mas algumas instituições, como o Nubank, já permitiam depósito com geração de boletos.

Segundo o Banco Central, a circular institucionaliza uma prática que já é adotada por algumas instituições.

Em nota, o BC esclareceu que, para que o depósito possa ser feito, o boleto terá que ser emitido em nome do titular da conta e só poderá ser pago em benefício dele.

A autarquia destacou que o sistema financeiro vem registrando o aumento da oferta de produtos financeiros por novos integrantes, como instituições de pagamento, Sociedades de Crédito Direto e os bancos digitais.

“A mudança feita pelo BC está em linha com a diretriz de assegurar a ampla concorrência, a interoperabilidade e o acesso não discriminatório aos serviços e às infraestruturas necessárias ao funcionamento dos arranjos de pagamento”, disse o BC em nota.

 

Fonte: Fintechs Press | Imagem: Reprodução

Veja todas as postagens do nosso BLOG

O que aconteceria se Brasil e Argentina adotassem o Peso Real como moeda única?

Medida tornaria mais fácil esquiar em Bariloche ou comprar um alfajor, mas há risco de a inflação argentina contaminar o Brasil. Moeda única é algo ‘para nossos bisnetos’, diz economista

 Em visita à Argentina na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) defendeu a criação de uma moeda única para o Brasil e o país comandado por Mauricio Macri: o Peso Real. Leia Mais

Imposto de Renda 2019: veja quando atualizar o valor de bens e imóveis

Receita Federal recebe as declarações até 30 de abril

Se um imóvel passou por algum tipo de reforma, as melhorias precisam ser informadas no Imposto de Renda 2019. A Receita Federal recebe as declarações até 30 de abril.

O mesmo vale para o caso de venda de algum bem. Se o imóvel foi negociado por um valor maior que o da compra, o ganho de capital pode ser tributado, seguindo o valor da negociação.

Veja perguntas sobre a atualização de valores de bens:

Quando fazer a atualização do valor do imóvel?

Segundo a Receita Federal, o custo de aquisição do imóvel somente poderá ser alterado caso sejam efetuadas despesas com construção, ampliação ou reforma do imóvel.

A Receita alerta também que é preciso que essas despesas estejam comprovadas por meio de notas fiscais para as despesas com pessoas jurídicas e recibos para as despesas com pessoas físicas.

Esses comprovantes devem mantidos em poder do contribuinte por pelo menos cinco anos.

Por quanto devo declarar o valor do imóvel?

O valor do imóvel a ser declarado é o pago efetivamente.

A declaração é obrigatória para quem tinha a posse ou a propriedade de bens, inclusive imóveis, de valor total superior a R$ 300 mil.

É preciso atualizar o imóvel pelo valor de mercado?

Não é necessário. É sempre pelo custo, independentemente do valor de mercado.

Como devo proceder em caso de venda de imóvel?

Se o imóvel for negociado por um valor superior ao da compra, haverá ganho de capital. Nessa situação, o contribuinte está sujeito a tributação de alíquotas que variam de acordo com o valor.

Segundo a Receita, as alíquotas são de:

  • 15% sobre a parcela dos ganhos que não ultrapassar R$ 5 milhões;
  • 17,5% sobre a parcela dos ganhos que exceder R$ 5 milhões e não ultrapassar R$ 10 milhões;
  • 20% sobre a parcela dos ganhos que exceder R$ 10 milhões e não ultrapassar R$ 30 milhões;
  • 22,5% sobre a parcela dos ganhos que ultrapassar R$ 30 milhões.

 

Fonte: G1 | Imagem: Reprodução

Veja todas as postagens do nosso BLOG

Seguros de casa e carro podem cobrir estragos causados por enchentes

Seguro pode ter coberturas diferentes para o caso de alagamentos, enchentes ou inundações; chuva em São Paulo já deixa 12 mortos

A cidade de São Paulo e outros municípios de sua região metropolitana amanheceram, nesta segunda-feira (11), em um cenário de caos após fortes chuvas atingirem esses locais desde a noite deste domingo (10). Até o momento,  12 pessoas morreram e as cidades registram diversos pontos de alagamento causados por enchentes, deslizamentos e áreas isoladas.

O governador do estado, João Doria (PSB), chegou a pedir que a população fique em casa , já que a chuva deve voltar a provocar estragos ao longo do dia. Muitas pessoas perderam suas casas e automóveis nas enchentes e precisaram procurar abrigo em outros locais (teve até quem tenha dormido em um shopping ).

Entre a população que perdeu algum bem em decorrência da chuva , seja imóvel ou carro, dependendo do tipo de seguro contratado, é possível conseguir cobertura nesses casos. 

Normalmente, a decisão de incluir ou não cobertura em caso de enchentes é feita pelo próprio contratante: nos planos mais básicos, dificilmente há esse tipo de serviço. Para tê-lo, é preciso investir um pouco mais de dinheiro, caso o dono do bem acredite que valha a pena.

Confira:

Seguro de casas

Os seguros residenciais mais básicos costumam não cobrir enchentes, mas sim incêndios, raios e explosões

shutterstock | Os seguros residenciais mais básicos costumam não cobrir enchentes, mas sim incêndios, raios e explosões

É comum que os seguros residenciais mais básicos (ou seja, os de plano mais baratos, chamados de cobertura básica ) cubram apenas danos em caso de incêndios, raios e explosões.

Para conseguir segurança em outros tipos de eventos, como alagamentos , inundações e enchentes, além de roubos, é recomendável que o contratante peça por planos mais elevados  ou pergunte se é possível inserir adicionais ou que já tem, pagando um pouco mais.

Entre as chamadas coberturas adicionais , é possível escolher por receber indenizações em caso de roubo e furto, responsabilidade civil familiar, desmoronamento, vendaval, entre outros.

Normalmente, o seguro para imóveis cobra menos de 1% do valor de reconstrução do imóvel, ficando mais caro ou mais barato de acordo com a personalização do cliente.

Seguro de automóveis 

Em caso de enchente, é necessário ficar atento para não ter a indenização negada por mau uso do veóculo

iStock | Em caso de enchente, é necessário ficar atento para não ter a indenização negada por mau uso do veículo

Para os carros, o sistema de cobertura dos seguros é parecida com a das casas.  Enquanto a mais básica cobre apenas danos de roubo e incêndio, é possível adicionar cobertura de outros tipos de problemas, como batidas e enchentes.

Nesses casos, o valor do seguro também vai aumentando conforte o pedido do contratante. É comum que os seguros de carros custem cerca de 4% de seu valor de venda. 

Mesmo contratando o serviço em caso de enchente, é preciso ficar atento para não ter o valor da indenização negado por mau uso . A seguradora pode alegar que o veículo foi mau utilizado caso o motorista tente sair com o carro pela área que está coberta pela água, danificando o motor. Outro fator que pode resultar em mau uso é deixar as portas e janelas abertas, permitindo que a água entre no automóvel.

Inundação, enchente ou alagamento? 

Temporais que começaram na noite deste domingo (10) provocaram enchentes e mortes em São Paulo

Divulgação/EnelTemporais que começaram na noite deste domingo (10) provocaram enchentes e mortes em São Paulo

Vale lembrar que, na hora de contratar o seguro, os termos enchente, alagamento e inundação se referem a coisas diferentes e que, por isso, um tipo de cobertura não necessariamente engloba a outra.

Enquanto a inundação se refere ao transbordamento de rios, o alagamento é o acumulo de água por falta de sistema de drenagem. Já a enchente é o aumento no nível da água em decorrência da chuva.

Leia também: Pior chuva do século no ABC tornou situação em SP incontrolável, diz Prefeitura

Também é importante verificar, antes de assinar um contrato com o seguro para cobrir eventuais danos com enchentes ou outros problemas, se todas as cláusas e parágrafos do documento estão de acordo com o que foi pedido pelo cliente.

 

Fonte: Brasil Econômico | Imagem: Redes Sociais/Reprodução

Veja todas as postagens do nosso BLOG